Um cantinho da roça

O Haras Baruca, em Vargem Grande, tem clima de fazenda mineira em plena Zona Oeste

Por Danillo Pedrosa

Haras Baruca, em Vargem Grande
Haras Baruca, em Vargem Grande -

Um pedaço do interior de Minas em meio à capital do Rio de Janeiro, o Haras Baruca traz para Vargem Grande um pouco da paixão de Joelito Ferreira por cavalos. Em um lugar que ainda mistura culinária e lazer, com o clima de fazenda, o foco mesmo é manter os cuidados com 35 equinos que vivem por lá, entre os hospedados e os do próprio estabelecimento.  

O haras que já está há dez anos em funcionamento é quase um spa para os cavalos, que recebem todo o carinho e cuidados da equipe do Baruca (o dono e dois funcionários). A hospedagem custa R$ 800 mensais por animal. "Deixam o cavalo aqui e a gente cuida. O dono paga uma mensalidade e a gente faz o trabalho de manutenção", explica Joelito.

Para os visitantes, o Baruca é recheado de opções de lazer, além de contar com um restaurante. Aula de equitação, equoterapia, prova de tambor e concurso de marcha são algumas das atividades que ocorrem no haras. A mais procurada é o passeio a cavalo, que custa R$ 70 e pode ser feito de terça a domingo, explorando a natureza da região - trilhas e cachoeiras podem ser parte do percurso. Importante ressaltar que todas as atividades estão sendo realizadas respeitando os critérios de segurança para evitar a disseminação da covid-19.

PAIXÃO POR CAVALOS

Criado em Teófilo Otoni, no interior de Minas Gerais, Joelito carrega a paixão por cavalos desde a infância. Ainda jovem, ele se mudou para o Rio de Janeiro, serviu o exército e trabalhou "com um pouco de tudo", como próprio define, mas a paixão pelo equinos continua intacta. 

"Sempre tive uma ligação, desde criança tive cavalos. Em Minas, eu já mexia com cavalos. Trabalhava na roça. Quando tive oportunidade, comecei a trabalhar com isso aqui no Rio. É o que eu mais gosto de fazer e o que faço melhor também", conta Joelito, que tem mais de 35 anos de experiência na área, já que começou a trabalhar com cavalos aos oito anos, ainda em Minas.

CUSTO ELEVADO

Ter e manter um cavalo requer um investimento que pode ser considerado alto para muitas pessoas. Mas o preço tem uma razão de ser: além do volumoso, que pode ser feno, capim picado ou silagem de milho, os haras oferecem a ração, o sal mineral, o manejo diário e precisam cobrar o aluguel. 

Adquirir um animal também requer um investimento elevado. Dos 35 que vivem no Haras Baruca, apenas cinco são do próprio Joelito, que também compra e vende esses equinos, e os preços podem assustar. O mais barato custa cerca R$ 5 mil, enquanto o mais caro pode custar até R$ 80 mil. Essa avaliação é feita de acordo com uma série de critérios. 

"Tem a raça, uns tem pedrigree, que aumenta o preço.  A qualidade, o estado do animal também interferem muito", conta o proprietário do haras, que revela ter até alguns artistas entre os clientes.

Comentários